E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede.” João 6:35

A história de Daniel é marcada por várias narrativas extraordinárias que aconteceram durante sua história no período em que se manteve cativo na Babilônia. São episódios fantásticos que demonstram a atuação do poder de Deus em sua vida.

Uma dessas histórias narra como o jovem judeu recém chegado ao palácio real babilônico se manteve comprometido com as leis estabelecidas por Deus ao seu povo. No evento em que isso se segue, o leitor é introduzido ao momento em que Daniel juntamente com outros jovens que agora serviriam à corte de Nabucodonosor, se encontra diante de um banquete oferecido pelo rei aos seus novos súditos. Conforme a história narrada, o mesmo banquete seria servido ao rei, demonstrando que aqueles homens não estavam participando de uma refeição costumeira do dia a dia… era o mesmo alimento que o rei consumiria, com todos os seus manjares e primícias.

O fato de Daniel conhecer a lei do Senhor e saber que a mesma restringia determinados tipos de alimentos dependendo dos ingredientes ou do modo de preparo, colocou-o diante de duas opções: consumir a comida e ignorar os preceitos divinos ou obedecer a lei e abrir mão das delícias postas na mesa. Daniel tinha duas opções e uma certeza: era impossível agradar a dois senhores… ele teve que escolher um.

Conforme narra o texto, Daniel se manteve firme em seu propósito em obedecer a Deus e por essa razão solicitou ao cozinheiro uma refeição mais simples, porém condizente com suas leis. Ao final de dez dias, ele e seus amigos que se propuseram a não se contaminar, aparentavam mais robustez que os demais.

Hoje, o mesmo Deus de Daniel, nos apresenta um novo cardápio. Conforme vemos nos evangelhos, Cristo se anuncia como o pão da vida, o pão que desceu do céu, a água viva e ainda é categórico ao afirmar que aquele que dele beber e comer jamais sentirá fome ou sede. Estamos sentados à mesa com a refeição servida, mas ao contrário de Daniel, vemos um movimento antagônico ao seu, onde o pão servido tem sido cada vez mais temperado com caprichos mundanos, desejos egoístas e valores divergentes ao evangelho de Cristo.

O pão que nos alimenta garante o sustento pois ele é nutritivo e saudável. É ele que nos enche diante de um mundo cada vez mais faminto, sedento por algo que preencha e que na falta do pão, acaba elaborando temperos e condimentos que dão bons sabores mas não fortalece ao que come.

Por inúmeras vezes somos tentados a utilizar o tempero desse mundo degenerado, tentando unir o santo com o profano para sentirmos outros sabores, trocando uma refeição que sustenta por outra que só tem sabor. É importante avaliar nossas ações para não repetirmos a atitude dos judeus recém libertos do Egito, que diante da nova condição de povo liberto, preferiram comparar o maná que os sustentavam com os alimentos da terra que os oprimia, deixando de desfrutar daquilo que o Senhor havia preparado para eles.

Nosso pão celestial está sempre a mesa e assim como Daniel, devemos nos fortalecer e robustecer a cada dia com aquilo que o Senhor tem nos oferecido, numa ação de gratidão sincera e consciente, lembrando sempre que o nosso pão não deve ser apenas para consumirmos, mas principalmente para repartirmos com outros.

Categorias: Palavras de Deus

Posts Relacionados

Palavras de Deus

ENCONTRO DE MULHERES – OUTUBRO 2018

CERCJ - Encontro de Mulheres com propósito - Outubro 2018 No dia 27 de outubro de 2018 as Mulheres irão receber uma palavra vinda do altar do Senhor. Esse encontro será as 16h00 na Rua Inglesa, 91 que fica ao lado da Estação Parada Inglesa do Metrô. Com fácil acesso e estacionamento gratuito no número 125 da […]

Palavras de Deus

SOBRE O CULTO

Cultos   (Mc.12:30,31)”Amar a Deus de todo o coração, alma, entendimento e força, amando ao próximo como a si mesmo”    O principal propósito de todos os que comparecem ao templo deve ser “prestar culto” a Deus, ou seja, adorá-lo. Embora nosso culto deva ser espelhado através de nosso comportamento diário, é durante as reuniões que demonstramos, […]

Palavras de Deus

O QUE NOS MOTIVA ORAR?

De acordo com os evangelhos de Lucas e Mateus, logo após o evento da transfiguração, Jesus foi abordado por um homem que suplicava pela libertação de seu filho. Segundo o homem, seu filho era oprimido por um espírito maligno e por isso ele procurava um meio de libertar o jovem. Durante seu pedido ele explicou para Jesus […]